Evitando decepções.

   É impossível evitar decepções, elas entram em nossas vidas sem ser convidadas e ponto final.
Não adianta mandá-las embora. Não adianta fechar a porta e fingir que elas não estão ali. Simplesmente virar os olhos e pensar em outra coisa. Mas também não precisa se prender a elas. O fato é que elas existem.
   Parece incrível quando sei que desisti de algo que me fazia bem, mesmo sendo uma mentira. Mas eu não devo confiar nas doces mentiras, porque quando eu caísse (se é que cairia) a queda seria muito pior, pois seria de um lugar muito mais alto. Mas não quer dizer que eu abandonei tudo. Apenas quer dizer que certas coisas eram indignas de confiança, mas não que TODAS as coisas o são.
   Quando fecho os olhos e lembro de cada detalhe me arrependo. Me arrependo de muitas coisas. Me culpo e entristeço-me. Mas tudo vale a pena quando a alma não é pequena. É o que dizem.
  Tem um detalhe que é bom lembrar: as coisas são descartáveis e voluntárias.
   O tempo, a vida, os objetos, as pessoas, tudo acaba.
   No fim tudo se misturará e se transformará numa sopa de letrinhas. Mas eu tenho certeza de que ninguém se importará com as regras gramaticas e inconveniências da burocracia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Ultraviolência

Arco-íris e Tristessa