Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2013

Poema V

Deixo o acaso matar a minha dor, Minha incerteza e meu destino Te deixo sozinho Renasço em mim                                                            Enquanto ainda há tempo.

Poema IV

Beijos doces, molhados, maus Só tua boca Presente. Mão frias, grandes, brancas Só teu amor, discreto.

Poema III

Linhas brancas, nuas, vagas Só tu caligrafia ausente.

Poema II

Distância do sol, da luz Raro raio de compromisso Na noite escura Encontra sangue Desperta para o infinito Que acaba logo ali Onde todos se escondem No fim.

Poema I

A razão Beijando o ser nu Na ausência da sanidade O luar quebrando copos De saudade dissolvida em dor E o ser se veste E se vai Nada resta, Só o desperdício.

Vendas nos teus olhos

Fico ofendida, chateada e oca com a tua falta de tato, de carinho e de capacidade para lidar comigo. Não sou qualquer pessoa, não sou quem você pensa, não conhece nem um terço de mim, as coisas que eu fiz e faço não lhe dizem respeito porque vão muito além dos teus projetos e contrariam tua moral barata e fútil, quero te poupar, porque te amo. Tua cegueira me dá pena e tua falta compreensão faz com que você perca mais do que eu nessa história de convivência porque afinal, você só conviverá comigo por mais uns meses e nunca mais, porque eu voarei cada vez mais alto enquanto as tuas pretensões se tornam cada vez mais superficiais e as minhas cada vez mais sujas e miseráveis porque eu não peço muito à vida, e peço muito menos à você. Exatamente por não te pedir nada é que sou tão podre ainda, mas existem partes do meu corpo que já não são as mesmas e você não as conhece mais e não as verá novamente tão cedo e quando as ver quero estar longe. Você realmente não entende po…

Tudo pode piorar, aproveite enquanto está bom

Hoje alguém me tirou da escuridão, me desnudei e soube o que mais temia. Foi quando fui obrigada a ser forte. Tive que decepcionar pessoas por ter confiado em algumas outras pessoas e até em mim mesma. Triste demais para ser real, mas era de fato real. Tive que bater de frente, olhar fundo dentro dos olhos dos meus maiores medos, deixar rolar algumas lágrimas de desespero e clamar por meus deuses, pois existe um momento em que praguejar te traz receio do castigo. E então você já não fala tão alto quanto antes, você agradece por poder andar e tomar um banho de chuva sem reclamar, você se sente feliz em ter de levantar cedo porque não está preso a uma cama por não conseguir caminhar. E você vê que sua vidinha é tão fantástica e você não tinha percebido isso esse tempo todo, e vivia falando mal dos outros, se preocupando com a opinião dos outros, colocando defeitos em seu corpo, tendo preguiça mesmo tendo capacidade de lutar. Agradeça pela sua saúde, por mais que nunca sermos capazes de …