Postagens

Mostrando postagens de Março, 2017

Autorretrato maravilhoso

Os dias nublados me deprimem bastante, apenas me sinto feliz vendo o sol passar pela minha retina e fechar meu globo ocular contra a sua luz astro-atômica e não astronômica, porque funciona como explosão em meu olhar, desencadeando a função de combustão. Já não há plantas para fumar e eu sigo refletindo sobre meu ego inflado e meu caráter murcho. Me despedaço nos meus textos surrealistas, adiós lógica y razón, todas as fases da loucura inconsciente dirigidas à minha mente conturbada e minhas visões que disparam nas linhas sobrecarregadas do meu cérebro bastante danificado, danoso, danado, enterrado. Voo em direção à lugar nenhum, nessa escrita automática frustrada, sem fumaça nem perdão. Tudo flui, mas o sentido não aparece, desando no silêncio. Sou uma nova mulher, a inspiração é uma pirada, sem ar, desmotivada. Me expressei muito mal, eu jamais disse o que queria dizer, muito menos ouvi o que deveria. Todo meu corpo se converterá em pó, no dia em que desaparecerei deste mundo ingrat…

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Aquela playlist ainda existe publicamente e eu resisto da mesma forma, eu nunca mudei. Sempre, os lugares novos nos fazem partir, e às vezes esqueço o que tenho na pele: estava escrito assim. Eu vim evitando acreditar que as coisas iriam desmoronar, mas eu sabia que a vida iria bagunçar tudo e teus olhos castanhos e sorriso branco eu jamais veria novamente, os personagens da minha trama de repente vão para outras cenas. Tudo que as vagabundas queriam, mas tudo que elas não conseguem, todo o vento despenteando meu cabelo, calculando a conversão de peso para reais. Os dias arrastados e os anos ininterruptos, sendo que parece que vivi várias vidas. Todas as vozes de anjos em meus ouvidos. Eu também merecia que uma carioca me salvasse com a fumaça verde e precisava de uma intimação. A vida me jogando na cara que precisava encarar algumas verdades, eu demorei para entender, alma de aquário voa demais, sempre avisei à todos, Talvez eu tenha ido longe demais, talvez tenha me aproximado demai…

Humo y torpe

Estivemos andando unidas por aí, eu e a uruguaya. Caminhamos por muitas calles de córdoba, levando uma garrafa de vodka de um litro mesclada com refrigerante cítrico. Da próxima vez vou comprar de pomelo. Como cães, encontramos marihuana pelo cheiro. Depois tivemos bajón, a larica, e comemos uma maça. Nós exploramos a facultad de artes, onde ela estuda. Lindo edifício antigo e com uma fonte no meio, parecia um palácio, cheio de pintura e pixo.  As ruas da cidade universitária estavam trancadas e cheia de policiais. Nós encontramos muitos palcos montados e muita gente, os músicos cantaram até música ranchera mexicana, como juan luis guerra. Todos estavam fumando como bons argentinos que são. No 24 de março assistimos a macha por verdade e justiça, pela memória dos desaparecidos durante a ditadura. Isso nos comoveu, porque toda a américa sofre junta, como se todos os países fossem irmãos.
Ela interpretou meu mapa astral, resumindo: sou rancorosa, tenho muito amigos homens, tenho grande…

Anoitecer bucólico em terras desbravadas

Ainda há a noite toda para desesperar-mediante destas vastas apreensões e infinitas dores. Físicas, como unha desgrudada do dedo ou calos nos pés, e espirituais, como a saudade de tudo e a exuberância de uma cidade colonizada por espanhóis jesuítas. Peço para que Pachi pare de bater na minha porta e espero que todas as luzes dos postes se acendam depois de uma aula de gramática de texto da língua espanhola de alto padrão. Estive tentando desconstruir o preconceito sobre o qual a professora falou. Disse que para os brasileiros nada está bom. Mas não consegui, porque meus pés doem e aos poucos meus pesos se acabam. É ruim não ter um gatinho ou cachorrinho para agarrar. É bom ficar livre e ninguém saber quem eu sou e nem sequer interromper, até que a lu da lua se sobreponha sobre o papel em que escrevo. Ninguém jamais me provou que a faculdade de lenguas seria fácil, porém já provei a mim mesma que estou no nível -pensando em espanhol-. Dizimaram um povo para construir uma nação, Será j…

Folhas verdes de La Docta

Ele se parecia muito com Kerouac com jeito de dizer que o dia seria lindo e todas as coisas que os meninos costumam dizer, um jeito de boêmia, de repente o vi: italiano, peruano e argentino. Disse onde estavam as principais praças e o palácio de justiça, mas antes me pediu seda. Também me mostrou um restaurante peruano muito bom. Eu não tinha nada, então ele me levou a una tranza, onde se vende drogas por aqui. Encontrei porro, hojas verditas y enteras de marijuana. No encontré otro distinto.
Me disse que eu falava diferente e que tenía buena onda.
Me contou do cartón, o nosso doce lsd e me levou até Suipacha, um bairro peruano.
A chica me disse que tinha uma amiga brasilera. Aquela ponte, a altura dos morros depois de cruzar o rio, e o becos com seus labirintos de terra me lembraram o Brasil. Essa América Latina tão pobre e rica de cultura, tão sem dinheiro e vivendo do roubo, todos vendendo drogas para alimentar seus filhos.
Todos aqui são muito educados. Córdoba têm muitas igrejas …