Postagens

Mostrando postagens de Março, 2012

O feito está feito

Imagem
Tenho saudade. Saudade dos velhos amigos, das velhas loucuras, dos velhos amores, das velhas fotos, dos velhos poemas, das velhas brincadeiras, dos velhos vizinhos, dos velhos lugares, das velhas palavras, das velhas músicas, dos velhos pensamentos, das velhas mentiras, dos velhos diários, das velhas cartas, dos velhos livros, dos velhos gostos, dos velhos cheiros, dos velhos sabores, dos velhos filmes, das velhas preocupações, que parecem tão pequenas agora vistas assim, tão de longe... Saudade dos velhos motivos pra sorrir, dos velhos sorrisos, das velhas roupas, saudade de quem já se foi, e não vai mais voltar. Saudade daquele amigo que se mudou, brigou ou que simplesmente se perdeu o contato. Uma saudade que aperta o peito, mas logo passa. Uma saudade que invade de repente, mas que vai embora quanto se dá conta que de qualquer maneira, não se pode voltar ao passado nem refazer nada. O feito está feito.

Limpeza

Imagem
Hoje eu limpei a casa, limpei o guarda-roupa, limpei gavetas. Pus fora tudo que já era inútil: meus sapatos desbotados, minhas roupas velhas, meus cadernos velhos, lixos. Mas não te arranquei de dentro de mim, eu tentei, juro, mas não consegui. SORRY. Eu até encontrei umas poesias que eu fiz para pessoas que não mereciam minhas palavras. Eu sinto muito por não ter controle sobre meus sentimentos idiotas. E eu sigo fumando nas minhas tardes negras. Sem ar. Eu preciso de você aqui porque eu mereço isso, porque eu sei que sou uma boa garota. Bebida? Nossa, já estou farta.

A arte de prever o imprevisível

Imagem
E umas das coisas que desejo para minha vida é que eu pare de contar as páginas dos livros que leio. Literalmente. Mas também na minha vida, em geral. Que eu pare de me preocupar com o tempo, com os finais das coisas e aproveite os momentos com a intensidade com que as coisas acontecem sem me preocupar com o fato de que um dia elas acabam.      É uma mania que eu tenho, essa de programar tudo, contar as páginas. Mas para quê? Se eu nunca saberei nada sobre início e fim, se é tudo tão desconexo, se é tudo tão imprevisível? Se às vezes faltam páginas, e eu só posso tentar procurar outro livro igual. E se for um livro raro, talvez nem valha à pena.