Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2016

Homofonia pulsante de dois corpos consonantes

Muitas vezes precisava fechar a janela do quarto para que os vizinhos não a vissem nua. A rua iluminada pela luz da lua, não havia ninguém que pudesse vê-los agora. Perdidos em meio a fumaça do ambiente, afogados em meio a suas próprias fantasias. Observou seus olhos bem de perto, pode ver claramente o desejo incendiando as paredes, quando a boca dele chega perto da buceta dela e sua língua desliza lentamente, sempre disse a ela que poderia ser atriz pornô, que havia nascido para isso, poderia trabalhar com sexo, seu lindo corpo branco em contraste com o corpo magro e moreno, a pele dele com tatuagens pretas e com letras lindas que contrastavam com a delicadeza das tatuagens coloridas dela. Ele permanece minutos longos chupando-a enquanto anoitece, enquanto a bebida faz com estejam sinceramente alegres e exageradamente felizes. Tudo oscilava de um lado ao outro numa atmosfera de melodia pesada. As paredes dissonantes, eles envoltos em uma quantidade de tempo previamente calculada. A…

Metralhadora

Acendo um do bom, logo hoje que ele não está aqui. Veio como uma brisa me devolvendo algo que havia levado de mim, aquela paixão sempre me fez bem, é tão complicado saber o que fazer com isso, apenas sabemos que é bom, não sabemos lidar bem com isso.
Fumaça saindo das casas por causa da umidade trazida pelo calor. Cada frase um tiro, estou fragmentando-me sem razão exata, apenas a soma dos fatores imunes de bondade ou maldade que me formam humana.
As minhas tatuagens são tão delicadas que podem iludir. Você me deixa em transe.
Tusso sem parar para poder escrever sobre nós. Para que toda minha mente clareie e eu possa ordenar meus pensamentos, me inspirar no teu perfume, cheirinho inesquecível, deixa o feminismo de lado, deixa os problemas do mundo sem pesar por algumas horas, em minha proteção, nem a literatura marginal, nem o rap aguenta. Como é bom ver aquela pintinha debaixo do olho esquerdo.
No fim, não tínhamos fumado, mas era como se estivéssemos flutuando. Canse-me. Delize em m…

Não haverá detenção

A literatura para mim é como transformar a realidade em fantasia e a fantasia em realidade. Que coisa mais foda ser poeta. Por que os nossos estão todos mortos ou os vivos não são vistos? Por que ninguém paga nossa mídia barata? Restam apenas dez por cento, livrarias roubam tudo. Flyers preenchem as ruas, mas não são como livros, mesmo assim a literatura resiste. Pintem seus livrinhos de colorir para relaxar e preencham de ar suas cabeças, e deixem os sonhadores morrer de fome. Às vezes é difícil, as coisas se misturam, realidade e fantasia, e vive-se à beira da loucura. Tudo bem, estaremos sempre loucos mesmo.
Os clássicos também morrerão mofando.
Ninguém saberá de mais nada.
Ferreira Gullar, Dostoiévski, Bukowski, Fante, Woolf, Nin, Pessoa, Nabokov, Kafka, Hemmingway, D.H. Lawrence são fantasmas para mim, graças a deus. Meus fantasmas preferidos.

Não há paz sem guerra

Quem diria que estaríamos tão próximos e tão distantes. Confesso que passei pelas ruas e lembrei de nós, em cada estrela eu fazia um pedido. Queria gritar, mas não podia, cheguei na Chácara e fiquei pensando em por quê estava ali se são iria vê-lo, se quem sabe ele nem quisesse me ver mesmo, nunca mais falou comigo, pretinho. Mal lembro da última vez que falei com ele, nem sei quando fui a última vez que o vi, mas de vez em quando encontro-o pelas ruas.
É uma pena que não me queira mais, quantos erros cometi, se soubesse o quanto me faz falta e o quanto me custa dizer isso, mas eu também já me fodi tanto, hoje estou tranquila comigo mesma, sabendo que só faria a coisa certa. Um aquariano tão perfeito, como pude deixar escapar por repetitivas vezes.
Me pergunte quantas vezes eu deixaria isso acontecer novamente que eu direi certamente nenhuma, meu bem. Não é possível se machucar tanto no amor, me diga o que fazer, Eu tive medo, eu tomava lamotrigina, tem ideia da mistura disso em um co…

A viúva negra

Eu sou abusiva por natureza, não é porque te odeio que faço o quê faço. Pura verdade. Então ouça meu coração disparando e perceba que pouco sei sobre amor, mas muito sobre desamor. Tente me desarmar, dificilmente conseguirá. Engula minha fumaça, obedeça todas as minhas ordens. tudo que faço é proposital, mas a maneira como me interpretam não...
É preciso dizer adeus ao universo para poder entrar em meu mundo louco, é preciso estar nu, sempre estarei sedenta, tente adivinhar há quantos anos eu jogo esse jogo e saberá que raramente estou errada, mas todas as vezes estou confusa. Você me trazendo paz no verão monótono dessa cidade chata. Gastei todo meu dinheiro em livros e não sei onde fui parar viajando.
Confesso que odiei passar a madrugada do dia primeiro no Seibel, a norte mostrando o céu e os morros como nenhum outro lugar, eu brilhando junto com a lua, sem entender porque tanto elas dançavam funk e eu ali abismada. Quero ver fazerem de verdade, meninas. Eu odeio o ano novo. Champa…

Acione o alarme

Minha mão está machucada e minha perna também, resultado dessa manhã quente que me fez explodir. Não precisei nem mesmo explicar que normalmente não converso sobre as coisas que não me agradam ou mesmo sobre todas ou quase todas as coisas, porque ele mesmo disse que sou uma criança. Expliquei a ele que para mim, basta que alguém perceba em cada fala e gesto um significado para saber o que foi mal interpretado. Então, ele argumentou que cada um pensa de um jeito. Não disse nada, apenas pensei, pobre inocente, eu já fui inocente assim, hoje sou muito mais dura, aconteceram três milhões de coisas para que eu me percebesse assim, marcas do tempo. Dormi fria como uma pedra. Demorei longas horas para dormir, explodindo e soltando lágrimas de raiva ao lado dele.
Acordei. Expliquei a ele que fazer sexo de quatro é um saco, ninguém gosta de olhar para a parede, insisti e ele ficou horas tremendo, pedi um cigarro, fumei, observei-o sentado com os dedos tremendo, fiquei com pena e fechei um, pre…