PARAÍSO PAGÃO

Olhos profundos
Água límpida
Mergulho no nada
Nado em teu sangue

Vejo a cegueira
Do lugar onde estamos
Num mundo distante
Longe de ser real

Aquele real que se toca
Não existe aqui
Aqui tudo é relvado
Tudo nosso para sempre

E o tempo não é justo
Ele atravessa as paredes
Convence passantes
E controla a permanência

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Ultraviolência

Arco-íris e Tristessa