Não faz mal nenhum

      Eu sei, é tolice. Tudo que eu fiz desde o início é tolice. Estava claro que não daria em nada, foi só uma desculpa para continuar com meu drama de cada dia. Até que eu já estava sentido falta dele na minha vida, porque depois de ti, eu pude sentir de novo a paixão, um novo amor sempre traz coisas como mãos tremendo, pensamentos longes, sorrisos que nos saem do nada, coração saltando para fora do peito. Eu pensei que tão cedo não voltaria a sentir isso tudo de novo, que eu não faria coisas sem pensar, não quebraria regras, não teria cara-de-pau para isso. mas eu faço isso todos os dias, de novo e de novo, mesmo que eu prometa para mim mesma: "Eu não vou fazer isso". Eu acabando não resistindo e por mais que eu tente sair de perto, eu não posso evitar, é como uma droga. O amor é exatamente isso, uma droga: no início nos dá prazer, depois já começa a nos enfraquecer, nos traz, na abstinência, tremores, falta, dor, nos dá uma sensação de não ter sentido nossa vida, não ter motivo para respirar, e às vezes nem sabemos se ainda estamos respirando. É tão difícil deixar esse vício, porque ao mesmo tempo que faz mal, faz bem. faz o coração explodir e quase parar. Tudo depende das palavras, olhares, sorrisos, toques. Ainda que seja corrosivo, ainda se chama amor.
     De qualquer maneira, eu tenho culpa, eu busquei por isso, imaginei isso, a culpa é toda minha. Eu sempre imaginei alguém assim para mim, e quando encontrei é exatamente como se fosse o vestido certo na garota errada. É tão difícil aceitar e suportar tudo isso. Eu sei, é besteira, mas faz falta, amor sempre faz falta. Esse meu intoxica e mata. Porque eu estou amarrada a ele, em todos os sentidos. E para ele não faz a mínima diferença e ainda assim, sento no chão, fumo e escuto Inevitable, e todo Donde estan los ladrones da Shakira. E isso me faz bem. Tenho a impressão de que estou fazendo alguma coisa, mesmo que chore jogada no chão, pois o choro é uma espécie de proteção contra a dor, o medo, a tristeza. Mesmo que não adiante nada, me lava por dentro e por fora. Mas as lágrimas têm sal e o sal corrói, arde. Mas cura.
     E eu queria sinceramente te apagar de mim, não para sempre, não totalmente, mas pelo menor umas partes, as mais lindas, e que fique no fundo da memória, onde ninguém mexa, onde eu entre só de vez em quando para ver se está tudo em ordem, se ninguém roubou nada, se nada se estragou. Só para relembrar, e ter certeza de que de qualquer maneira valeu à pena, porque não faz mal nenhum um pouco de amor com dor.
     Porque eu sei, que não vou precisar viver assim para sempre, eu sei que em poucos anos, vou poder ter esse modelo projetado de alguém, alguém que me espera, alguém para quem eu possa cantar The One, Underneath your clothes, Día de Enero, I Don't wanna miss a thing, Bendita tu luz, Éres mi religion, All I need, True love waits, Melhor pra mim, Quem, além de você? e mais mil canções lindas. E  nesse dia eu vou poder parar de cantar Amor clandestino, Vivir sin Aire, El verdadero amor perdona, Creep, Labios Compartidos e principalmente Hole in my soul, Ain't that a bitch? e Ojalá Pudiera Borrarte.
     O amor, vai parar de ser essa dor, porque ele se divide em mil fases diferentes e mesmo assim, consegue ao mesmo tempo matar e fazer viver.

    
    

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ultraviolência

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Arco-íris e Tristessa