O feito está feito

Tenho saudade. Saudade dos velhos amigos, das velhas loucuras, dos velhos amores, das velhas fotos, dos velhos poemas, das velhas brincadeiras, dos velhos vizinhos, dos velhos lugares, das velhas palavras, das velhas músicas, dos velhos pensamentos, das velhas mentiras, dos velhos diários, das velhas cartas, dos velhos livros, dos velhos gostos, dos velhos cheiros, dos velhos sabores, dos velhos filmes, das velhas preocupações, que parecem tão pequenas agora vistas assim, tão de longe... Saudade dos velhos motivos pra sorrir, dos velhos sorrisos, das velhas roupas, saudade de quem já se foi, e não vai mais voltar. Saudade daquele amigo que se mudou, brigou ou que simplesmente se perdeu o contato. Uma saudade que aperta o peito, mas logo passa. Uma saudade que invade de repente, mas que vai embora quanto se dá conta que de qualquer maneira, não se pode voltar ao passado nem refazer nada. O feito está feito.

Comentários

  1. A saudade que dói atesta um ontem que valeu a pena.
    GK

    ResponderExcluir
  2. A consciência dói muito. Não percebemos o passar do tempo até nos vermos perdidos nele e descobrirmos que é um caminho sem volta. Mas temos que continuar a limpar os armários e colocar fora o que não nos serve mais.
    Melhor sentir a dor da consciência, que a anestesia da ignorância!

    ResponderExcluir
  3. É verdade, senão não haveria saudade, não é? Obrigada por comentar Gugu Keller! ;)

    ResponderExcluir
  4. Com certeza Omar Talih, não se pode volver ao passado, mas é muito melhor estar consciente dele do que ignorá-lo. Adorei o comentário. :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Argumente.

Postagens mais visitadas deste blog

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Ultraviolência

Arco-íris e Tristessa