Reflexos




            Ela olhava a própria imagem no espelho tentando entender porque os anos haviam deixado-a assim. As rugas tomavam conta do seu rosto e cada traço era resultado de dor, sofrimento, alegrias, preocupações e amores, entre outros mil sentimentos que marcam os corpos de qualquer pessoa. Sentiu um peso sobre si, começou a tremer e viu que tantos anos de vida não suportavam a morte, não compensavam a passagem, porque não era possível comprar o tempo. O que restava de sua vida era a poesia dolorosa da saudade, e seu passado começou a ecoar em sua cabeça e sua memória falhava em cada tentativa de lembrança. Juventude e velhice se fundiram num contraste vibrante, fazendo com que nada mais fosse encarado da mesma maneira, porque pensando bem, ela percebeu que não houve tempo perdido, pois tudo valeu a pena no momento do desejo impensado.
            Olhou fundo em seus próprios olhos e viu a bagagem da experiência presente no seu olhar cansado. Sentiu a lentidão de seu raciocínio e relembrou vagamente flashes de sua adolescência. Momentos doces passaram pela sua memória e aquela liberdade de antes era tão intensa que até voar se fazia possível. Sentiu suas pernas doerem e lembrou-se de quando corria como ninguém sem nem mesmo se cansar depois.
            Sentia a morte se aproximando, trazendo com ela a doença como aviso e pretexto. Queria gritar, mas sua voz estava fraca, queria correr para algum lugar, mas seus ossos estavam frágeis e cansados, queria voar, mas os sonhos já não estavam ao seu alcance, pois a insônia se fazia presente durante a noite e no escuro, fantasmas percorriam seu quarto, ela os via claramente e desejava nunca ter duvidado de seus propósitos.
            Então olhou novamente no espelho e enxergou por alguns segundos seus vinte cinco anos em seu rosto, e chorou, soluçava alto, em prantos. Não havia solução, não era possível nadar contra a corrente, nunca venceria sua batalha contra o tempo. Era inevitável envelhecer, entretanto era mais inevitável ainda não lamentar o envelhecimento. Com oitenta e cinco por cento de uma vida vivida, ela sabia que o fim estava próximo. Nunca tinha pensado direito em vida após a morte, mas não queria preocupar-se com isso agora, tanto fazia, já estava cansada, vigor já não fazia parte de sua vida.
            A única coisa que ela possuía de verdade era uma personalidade cheia de acúmulos, alguns bons e outros ruins, porém ainda estava em constante metamorfose, porque personalidades formadas simplesmente não existem. E isso fazia com que a idade não influísse em absolutamente ninguém, pois experiência não tem a ver com números e sim com intensidades.
            Sentiu um sono profundo invadir seu corpo e uma leveza soprar sua alma, havia chegado a hora e ela nunca estaria preparada. E já não doía tanto assim, as decepções já não eram importantes comparadas a coragem de ter enfrentado as horas todos esses anos. Então se entregou ao desconhecido, afinal viver é um tiro no escuro e morrer também. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Ultraviolência

Arco-íris e Tristessa