Plegaria al próximo año


                Sendo verão, parece que as coisas são permanentemente quentes, boas e felizes.      Quando o inverno chegar e talvez restarem as camas frias, o café morno, o cigarro queimando no vento no vento, as calçadas empoçadas, a roupas úmidas, as botas debaixo da cama, os livros espalhados pela casa, a fome, a solidão depois das brigas, a pia transbordando, o cinzeiro cheio, as sacolas cheias de lixo ao lado da porta. E já não haverá moscas, rãs, baratas, mosquitos ou mariposas.
                Tudo aquilo que é extremo é destrutivo e o teu veneno me mata cada dia mais, porque eu sempre gostei das coisas tóxicas e eu me rendo à todas as tentações, pois é a melhor maneira de me livrar delas.
                Espero que sobre dinheiro, que as regras não sejam quebradas, que as oportunidades sejam piedosas, aos nossos pés, porque eu sei que no fundo somos apenas almas perdidas que encontraram muitas coisas em comum e têm medo de perder essa relação que não sei se é mais sexual ou espiritual, porque os dois se fundem num ápice que não cala, não acalma, não basta, não cansa, não tem moral e não segue regras, pois é instintivo e as coisas que te fazem feliz não podem ser tão ruins assim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Ultraviolência

Arco-íris e Tristessa