Minha bondade é infinita.


Te livrei de um prejuízo de cerca de setessentos reais. E eu tenho o recibo, meu bem.
Estou cheia de coisas para fazer.
Mas já não imploro pelo amor ou pela atenção de ninguém. Quem quer minha companhia tudo bem, senão foda-se.
Eu já não me importo mais.
Estou ansiosa pelo verão. O inverno me deixa com preguiça de viver. E a rua me quer mais presente.
Minha natureza não é essa prisão em que me encontro. Os milhares de remédios que tomo não me fazem bem.
Queria só ela na minha vida. Mas preciso das outras substâncias para (sobre)viver.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Ultraviolência

Arco-íris e Tristessa