Nada como um dia após o outro

Me sinto bem novamente, vivendo com dignidade. Quantas gramas eu quiser, preservativos e remédios. Todos os filmes e livros que eu quiser. Não precisei me prostituir para que meus armários estivessem caindo de tanta comida. E não há nada que me entristeça tanto quanto a vida em si, plena e vazia, yin-yang, e eu doida, desorientada, levando minha sobre-vida numa boa, porque eu sou tão boa, e os quadros se enchem com meu nome escrito com um l apenas. Nem tudo é perfeito.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tango, sangue e revolução

(pre) tensão

Pensé que iba a haber fiesta