Sem re(puta)ção não há res(peito)

Tossindo sem parar. Só há um remédio para todo o estresse que me consome desde a manhã. Todos eles querem me censurar. "Teus peitos não podem estar na internet."
Levantando cedo, sem almoço, pegando o ônibus, correndo para lá, querendo ajudá-los, sem ter poder algum de fazê-lo, ninguém sequer escuta. A educação decadente. Sin dinero. Todas mis influencias son fallas según la sociedad y ninguna creencia mía es real. Querem processar o quê? Minha liberdade de expressão? Da justiça já estou cheia. O machismo, a homofobia, o racismo em todas essas paredes de ouro. Respiro o mesmo ar que vocês. Seus filhos inconsequentes, minha experiência com a justiça me faz perceber o que faz bem e o que faz mal e o que realmente vale a pena. Quem procura acha e quem pede é atendido, já ouvi isso em algum lugar. Minha cabeça pesa e eu cansei de ter meu tempo roubado por quem me julga mal, hipócritas. Sempre amei a literatura mesmo...
Quem nasceu assim não mudará, aprendam. Terão de me aguentar, mas eu não sou obrigada a aguentar nem mesmo ver a cara de vocês e nem do dinheiro sujo de vocês e suas sujeiras escondidas debaixo do tapete. Prefiro morrer de fome. Mas não vou... Muita gente me quer bem. Enquanto muitos acham que somos idiotas leigos. NÃO SOMOS. 
ps.: Ninguém que veste farda põe as mãos em mim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Ultraviolência

Arco-íris e Tristessa