A linha tênue do amor

Eu estava na tênue linha de fogo do meu coração e tudo estava incendiando. Meu quarto, as ruas, os prédios. O amor estava entrando nos meus poros e me sufocando, ardendo. Meu pretinho preferido deitado na minha cama dormindo. Saí no meio da noite e disse a ele que iria vender uns bagulhos. Eu não sabia o que fazer, ele não pode me acompanhar na vida, é muito bom e inocente para mim. Parecia uma criança indefesa, não consegui dizer a ele que os sonhos nem sempre se realizam e eu não cumpro minhas promessas e trato minha mãe muito mal. Deixei-o sozinho e dessa vez ele não bagunçou nada. Tenho orgulho dele, mesmo que continue sempre bebendo. Não sei que horas ele foi embora, mas ele me perdoou. Me senti culpada e chorei. Não sou boa nem para mim mesma.
Desci e meu rastinha estava com cara de choro, disse a ele que só devolveria aquela balança e dormiria em casa. Ele quis me levar para fumar um. Eu fui e tive que ficar com ele, tomei uns remédios por causa daquele cachorro filho da puta da leste. Ele disse que vai matar o cachorro à facadas como da outra vez. Ele realmente gosta de mim.
Todo o machismo dele me fazendo ter sangue nos olhos e nunca me comportar. hahaha. "comportar". Puta que pariu. 
Os tipos de amor transbordando em mim. Fiquei febril, mas incansável. Meu desempenho é sempre exemplar. O gosto do abandono é amargo. Eu sou muito boa de cama e não há melhor que eu. Meu corpo em êxtases múltiplos todos os dias, dez orgasmos nos mínimo. Eu vivo vadiando porque quero, faço o que quero. Só estou presa ao amor e à planta, por isso estou livre.
A vagabunda magrela metida a vileira molhando aquela boceta suja por causa dos meus pretinhos, nunca vi tão ridícula, paga pau, querida, ele canta no meu ouvido e tu estás só na plateia, ganhando abracinho, e tá velha já pra andar esfregando os peitos na cara deles. Só escuta: o que foi teu, agora é meu, o que tu nunca vai ter, sempre foi meu. Estou cansada de escutar teu nome na boca de toda vila.
Estou carregando minha faca e torço para te encontrar. E desculpa, mas minha bunda é bem maior que a tua e todas as minhas coisas tem o cheiro deles, enquanto teu nariz está entupido de pó e nem tem mais olfato. Meu olhos estão baixos e eu só enxergo a realidade.
E à propósito, acho teu nome horrível e só conheci vagabunda com o mesmo.
Ninguém mente melhor do que uma escritora nata. Minha vida nunca pareceu tanto com um filme como ontem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ultraviolência

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Arco-íris e Tristessa