Colocou no prato, come.

Coloquei batom vermelho, em homenagem à paixão, e aquela noite sabia que o sexo seria forte novamente. O carro estragou e talvez nos mudemos para zona norte, numa casa enorme, perto das bocas, ou morreremos de azar. Ele ficou muito irritado, eu sei como é, já vi tudo isso antes, mesmas atitudes, eu odeio atores na vida real, não adianta, eu senti o cernunnos transbordando nele, e eu preciso dessa dose em mim, porque bem, eu pinto as unhas.
E então na cama ele se soltou, porque eu sou boa mesmo e só pisco quando quero. Ele diz que minha boca é ótima. Eu me esforço ainda mais, passo mal, todos os dias sem parar, eu amo isso.
Pela manhã ele descobriu tudo sobre o meu pretinho e falou alto o nome dele, todos ouviram. Espera aí, então nós frequentamos a casa da tua ex e tu quer trepar comigo e com qualquer gostosa que aparecer e tem mil amigas e ainda fala com aquela vadia e deixa ela tocar no teu cabelo que fiz tão bem e eu não posso ter amigos? Espero que o outro pretinho não me traia assim, não queira comer a boceta podre dela.
Ele vai vender mais pó, senão nada será pago. Parou a moto e me pediu desculpas, gosta muito de mim... Nem Amber Rose foi tão feliz. Damn, I'm smokin weed in my Mercedes!
Ontem a noite, quando estávamos indo para a leste, o rasta parou o carro para que o outro rasta passasse e queria que ele cantasse um rap. Consegui novamente colocar os meus pretinhos cara a cara. Porque quando isso acontece eu me orgulho de mim mesma. É como um eclipse, mas aconteceu duas vezes com pretinhos diferentes. Os dreadados sempre batem na minha bunda como se eu fosse a puta perfeita. Young nigga but I'm ready, oh, foreign girls call me sexy, and white girls gimme becky, but first I gotta roll this joint, baby hol' up...
Eu até treparia à três mas só se fôssemos eu, você e um dos meus pretinhos preferidos. Ou então, eu, minha garota e o nosso escravo perfeito, deus existe e ainda vamos dar para ele, nem que seja quando ele estiver na cadeia ou podre de rico de tanto cantar. Destruiremos a cara de mau dele de tantos tapas.
Minha memória é afetada, mas eu nunca saio da realidade para não perder o costume.
Ele quis isso, enfrentou o fato de eu ser feminista e eu o de ele ser machista, não vamos mudar, vamos nos adaptar um pelo outro. Ou não. Colocou na boca engole, meu amor. Mas tudo ficará bem quando chover numa noite de verão e estiver nua ao lado dele, pós-marijuana e pós-sexo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Ultraviolência

Arco-íris e Tristessa