Endorfina e as estrelas

Foi quando comecei a ter cuidado com a minha imaginação e com meus desejos a longo prazo, porque um dia todas as pedras acabam rolando, o universo escuta meus pensamentos com atenção e eu escuto toda a natureza dentro e fora de mim.
Ele me levou lá para o alto novamente, e no início olhamos para a cidade, mas não dava para ver o céu. Então viramos para trás, perto do campo, e vimos estrelas, mas a lua já havia se posto. Aquela senzala em ruínas lá no fundo e os ruídos da noite escura. Havia uma nave espacial no céu, parecendo descer, ele disse que sempre acreditou em extraterrestres. Se tiver maconha lá, nós vamos, disse a ele.
Passou da meia-noite, já era dia da consciência negra, ele sentou na frente do carro e eu me abracei nele. Mais lindo que uma música, ele riu, me olhou e perguntou se eu queria namorar com ele. Me engasguei, surpresa, e disse, quero. Mas queria dizer, já estamos namorando, eu acho.
Nada mudou, mas parece que tudo está mais certo para a sociedade agora. Eu observei a noite inteira o comportamento dele.
Eu sei bem o que cada um quer de mim, negociando a vida todo dia, tem gente que não merece mais palavras. Estou desorientada, sempre. Eu nunca preciso da piedade de ninguém. E eu não preciso de mulher, vou fechando meus olhos, porque eu não quero ser lagarto, porque eu cansei de quase tudo que é imprevisível. Preciso de força para aceitá-lo como ele é. As mesmas características de todos que eu já gostei, o machismo envenenando nossas mentes, arraigados na nossas vidas. Não nasci para regras que não são básicas de convivência. Olhe para o lado, olhe para os outros e pense. Repense.
Não precisa fazer showzinho para parecer melhor, sempre vai ser o melhor, se olha no espelho, pretinho. Quando me fala o quanto entupia o nariz, meu corpo treme. Gosto porque mantêm promessas.
E então, eu sou muito flexível, me jogou na cama e fez o que quis comigo, como todos os dias, sou a melhor comida, olha o tamanho daquilo, eu não preciso me mexer, se me mexo, era como se Afrodite estivesse presente. Quando durmo lá, tenho sonhos bons. Muitos gramas por dia, nem me aguento em pé, raciocínio confuso, ele olha para mim, mas continua falando nela, imagino ele colocando pó na bunda dela e cheirando, ela é tão magra e alta que é perfeita pra isso. Querido, eu não quero comer aquela puta suja, tu mesmo sabe e me disse que não. Ela é uma oferecida, no teu próximo comentário que estiver falando de pipoca eu vou falar tudo que sei sobre ela. Repensei... Ele é muito bom para mim, eu não posso escapar do sistema e do jeito de pensar dele, mas eu posso escolher nunca usar a televisão e não gostar de regras. Ele jogando romantismo dentro de mim, a parte boa e a ruim se fundem, eu não sei como termina essa história, mas era óbvio que começaria assim. Cada vez mais meu. A aliança que vi nas cartas era real.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Ultraviolência

Arco-íris e Tristessa