Exclamações

Escuto das janela meu vizinho de baixo gritar: "-Todo dia esse cheiro de maconha!"
Para de reclamar filho da puta, tu não paga as minhas contas e não conhece meu valor, eu tenho Virginia Woolf em espanhol na minha cabeceira!
Tudo dá errado para mim, que vida de merda!
Não há mais dinheiro, que vontade de morrer. Não há outro jeito, eu não gosto de trabalhar, eu não tenho ânimo, eu não quero pensar nisso, eu odeio todos eles, parem de me mostrar suas músicas, eu não vou ouvir, nenhum consegue me responder claramente, não os escuto bem, só quando sussurram perto de mim.
O meu trabalho é escrever, que culpa eu tenho se isso não dá dinheiro?!
Dinheiro.
Din-hei-ro.
Quero ficar trancada aqui por um mês sem que ninguém me chame de louca.
Ninguém nunca gostou de mim como eu sou, isso é impossível, porque ninguém é perfeito.
Acho que querem me despejar daqui também, eu odeio essa cidade ridícula e suas vielas esburacadas e seu prefeitinho de merda.
E hoje em dia encho a boca para dizer que eu não amo ninguém.
E a mãe dele lavou minhas roupas.
A coisa mais terrível do mundo é um sexo feito pela metade. Isso me deprime, eu sou inteira, que erro fatal.
Completo, incansável, inescrupuloso.
Se hesitar uns instantes eu já me fecho, querido eu posso controlar tudo em mim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Ultraviolência

Arco-íris e Tristessa