Sobre minha visão intuitiva

Num primeiro momento, achei que ele fosse roubar meu anel, mas não o fez porque era muito feminino. Ele estava na mesma posição e no mesmo lado da cama que o outro rasta costumava ficar e fez a mesma coisa que ele. Tirou um dread do olho, pegou a minha mão e tirou o anel do meu dedo médio delicadamente. E então, colocou-o de volta no anelar.
O ocasional mau humor dele destrói algumas esperanças dentro de mim. Tem crises de raiva com coisas pequenas e materiais e parece meu pai. Não suporto quando isso acontece, pois fugi a vida inteira desse incômodo.
Ele pegou toda aquela cocaína e colocou na minha bolsa. Me deu um pouco do bom, como da primeira vez que dormimos juntos, e pegou um facão para contar meio quilo. Muitas notas de cinquenta e nossos olhos sempre baixos. Ele está triste e eu também. Mas ainda formamos uma boa dupla, e eu me orgulho de ter te escolhido.
Só para constar, sei que aquele pretinho mexeu na minha gaveta das calcinhas na última vez que esteve aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ultraviolência

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Arco-íris e Tristessa