O poder do Príncipe da Paz

Assim como há algum tempo segui a Bíblia e suas palavras proféticas, a mãe dele o chama de príncipe e eu também. Mas o chamo Rasta, proveniente da língua etíope, Rastafari, o príncipe da paz.
Os sete chacras do meu corpo, cada um ligado em um dread meu. Toda a guerra do mundo, nunca mais escravizarão meu povo.
Ele disse que eu fico sexy fumando um cigarro e usa de um romantismo autêntico, mas com um ar clichê, para me conquistar todos os dias. Se deita e se espreguiça, um leão no fim de tarde, me olhando e sorrindo, toda a coragem e grandeza dele fazendo meu corpo tremer de espasmos na cama, ninguém pode dizer que não é real para mim.
Continuamos escravizados pelo sistema.
Um mês de namoro e ele comprou uma pizza gigante na pizzaria mais cara da cidade.
Fumo tanto e nunca caio, haja homem perfeito para sustentar todos os meus prazeres, vulgo vícios.
Estou livrando-me do ódio pela girafa de olhos verdes, mas ainda tenho medo, pois leões devoram, adoram e comem girafas, e também vivem nas savanas africanas, mas essa girafa é de zoológico, não pode lidar com a minha selvageria.
Restará apenas o meu sarcasmo, pois o ciúme me põe doente e a raiva me faz destruir tudo, fumar, beber e ser ruim de cama, não é nem proposital, apenas absurdamente inevitável. É como se meu corpo amolecesse, enfraquecesse, se recusasse a me obedecer e a reagir perante à paixão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Ultraviolência

Arco-íris e Tristessa