O silêncio sustenta as boas convivências

Eu amo as pernas secas dele, como as daquele rastinha branquelo crackeiro, eu gosto de observá-lo se movendo devagar e a forma com que ele acende um baseado me emociona, e emociona a mãe dele, só nós duas sentimos isso.
Tentando me impor uma maneira diferente, lembrar o que ela pensa sobre esse tipo de atitude. Sei bem o quanto eles se esforçam pela minha companhia e atenção, mas todos têm a sua vez de rejeição.
Eu estava apenas tentando por a minha cabeça no lugar, mas ainda não sabia direito o que isso significava. Mulheres... Quantos problemas causavam, eu já nem as queria por perto.
Eu odeio a maneira como ele pronuncia o nome dela, talvez seja porque ela é o meu estereótipo de beleza perfeita, ela não poderia pelo menos ser loira? Não consigo dizer que ela é feia, que merda. Nada pode ser mais terrível para uma mulher, incrível como nossos parâmetros são os mesmos, meu rastinha. O orgulho que ele tem de ter estado com ela é irritante. Mas querido, também tenho esses orgulhos marcados nos palcos, nas ruas e nas minhas camas e milhares de cantos diferentes, neblina, árvores, cimentos, banquete de erva. Meus comentários podem ser cem vezes mais pesados, tenho uma lista de bons e requisitados garotos, tempos de conquista para chegar até lá, poucos entendem o valor do respeito, às vezes atropelando o amor, posso avaliar cada um deles na cama. Isso não me impressiona, é minha arma às vezes, mas só traz experiência e eu me orgulho de mim mesma. Tenho pena das iludidas que lutam por eles e no fim eles nem são tudo isso e o pau deles nem é tão grande.
Ele me cuidou muito bem e ajudou no caminho das pedras. Era muita água e o quarto à meia-luz, nossas trilhas nos esgotando toda semana nadando, minhas picadas de mosquito inchando, minha mente confusa, precisando de um psicólogo, os filmes passando na TV enquanto dormimos em horários impróprios, paralisia do sono, meu corpo pesando, minha boca sem se mexer e eu sei que sou mais importante que ela, não há contestação. Meu natal contigo, como me foi pedido, pretinho não pude ir lá, quem sabe no ano-novo. Meu pai me ligou e me ama.
Não deu tempo de usar a fantasia de pirata, porque não aguentamos todo o fetiche, e de repente já estamos gozando e por isso ainda não pude escrever pro hot.
Foi engraçado ela perguntando se ele queria que conseguisse maconha, hahaha, minha querida, temos quilos. Quando olhei para ela, vi que já tinha dado por dinheiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ultraviolência

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Arco-íris e Tristessa