refúgio

Ninguém consegue ver meus planos finais, então julgam minha jornada.
Tivemos nossa segunda briguinha, ele com ciúmes do meu primeiro pretinho da cidade e eu confessando, quase chorando, fingindo estar bem, transformando tudo em raiva e dizendo que tenho muito ciúmes da girafa, ele diz que não precisa mesmo, achei bonitinho. Mas meu sentimento não mudou, ainda quero que ela morra.
Ele comprou uma fantasia de pirata para eu usar na cama, meu nego me adora.
As cartas sussurrando coisas no meu ouvido.
Churrasco todos os dias.
Ele se preocupa comigo como seu eu fosse uma criança.
A minha dificuldade de interpretar o baralho para mim mesma é impressionante.
Estou assustada com tudo e confusa.
Com medo desse Natal.
Quero ver se consigo refugiar-me na casa dele.

 

Después de las fiestas

Y cuando todo el mundo se iba
y nos quedábamos los dos
entre vasos vacíos y ceniceros sucios,

qué hermoso era saber que estabas
ahí como un remanso,
sola conmigo al borde de la noche,
y que durabas, eras más que el tiempo,

eras la que no se iba
porque una misma almohada
y una misma tibieza
iba a llamarnos otra vez
a despertar al nuevo día,
juntos, riendo, despeinados.

  De mi genio latinoamericano, Julio Cortázar

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ultraviolência

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Arco-íris e Tristessa