O nome mudou, mas a vagabunda continua a mesma

Estou sentindo o universo perto e sei que é porque estou com um grau a mais no meu corpo que sangra. Fomos acampar, eu, o Rastinha e a lua. Foi aí que comecei a mudar. Ele me disse que pelos meus olhos estou diferente, mas não é culpa dele. Estou sim um pouco amargada, mas nunca admito. No fundo sei que ele me prefere.
Me mudei para o quarto da frente, na sacada em frente à uma floricultura e à uma loja de lingerie em que eu não posso pagar. Ninguém retornou ligação depois que entreguei currículos.
Ainda não sei direito o que estou fazendo, enquanto para Chácara das Flores não consigo voltar e da Vila Schirmer não consigo sair. Não sei como as coisas serão. Não sobrará dinheiro para comprar o presente do meu pretinho, mas talvez eu devesse dar a camiseta que eu comprei para o meu Rastinha a ele. Mas talvez ele também não goste e não a use.
Meu celular não liga mais, então já nem falo com minha mãe. O carro está consertado e ele roeu minha bolsa como um cachorro para retocar a tatuagem na coxa escrito o nome da mãe dele em um coração com fogo e a do leão de Judah na batata da perna.
Ninguém saberá me dizer o que fazer e eu só queria uma pilha de livros bons para ler, uma praia e meu Rastinha deixando se lado gangsta de lado.
A vadia acha que só porque colocou o nome completo virou gente. Querida, tu continua a mesma puta metidinha de sempre com essa cara magra de crackeira.
O convenci a se sujar com meu sangue, porque é isso que homens de verdade fazem, esse é o tipo de homem com quem se pode ter um filho.
Escrever liberta todos os meus monstros interiores e vezenquando clareia minha mente.
Ele disse que tudo bem se eu estivesse cansada dele, não teria problema de terminar. Tem medo de me perder, mas não precisa, quando eu sou problema, eu desconto a raiva do mundo no amor. tento encarar as coisas com a grandeza do mundo mergulhado em silêncio e caos. Eu nunca serei perfeita, esse talvez seja o erro dele e de muitos que me amam, acharem que sou perfeita. Nunca serei, meu amor, Leãozinho...
Veja bem, eu FAÇO O QUE TENHO VONTADE POR SER UMA MULHER LIVRE. Favor parar de se meter nos meus relacionamentos e escolhas pessoais, estou bem assim e estou assim porque quero, melhor cuidar das patricinhas putinhas dessa cidade que muitas vezes não sabem o que estão fazem. Se minha felicidade é ver meu homem se alimentando bem, ótimo, me deixem em paz, eu não mudei, "nossa, ela não é mais livre", pensem bem no que dizem, pois ser e parecer são coisas extremamente distintas. Não falem como se soubessem o que acontece entre quatro paredes e como se conhecessem e soubessem de nosso amor, nem nós mesmo sabemos bem.
Besos de luz. Y sí, yo he hecho mi amor hablar español.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ultraviolência

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Arco-íris e Tristessa