me subestime sendo melhor que eu

Ele nunca me defendeu. O fato de eu brigar com a girafa vagabunda se tornou algo de que ele duvida, é triste para ele queimar o filme com ela, porque afinal assim, ele não pode comê-la. Amiguinha vagabunda porca eu dispenso muitos comentários, só sei que para me mandar estudar e ler um livro tem que se ter lido pelo menos a metade do que eu já li, então querida, comece agora, enquanto ainda há tempo para que tu aprendas a diferenciar mal de mau. Embora ele diga que eu apanharia, como todos dizem, nunca nenhum me viu com sangue nos olhos, acham que sou criança, mas quando trepo não sou, de repente acham que sou boa e ninguém mais se importa com a minha idade. Coitadinhas, vieram chorar para ele, nossa, que peninha mesmo, mulheres velhas, milfs arrombadas, querendo dar moral pra Chinaski, deve ser uma piada, realmente. Então chore, tire print, xingue, eu só vou rir, ele continuará me comendo, óbvio, mas só até onde eu quiser, que não é muito longe, porque depois que uma pessoa como eu viu o que viu, jamais poderá tornar-se a mesma.
Continuo faltando no trabalho, odeio beber e ter dor no corpo, eu não aguento mais nada, mas não tenho para onde fugir, todos os meus sonhos dão errado, absurdamente errado. O que eu preciso fazer para me sentir bem, eu não quero tomar remédios, quero saber quem sou sem me perder muito, quero não ter raiva dentro de mim.
Vagabunda me disse que eu não sei nada sobre o feminismo porque se ofendeu quando foi chamada assim. Primeiro se orienta, para de pedir dinheiro para os pais e pedir para que eles paguem tua faculdade particular nessa cidade de merda, onde acham que estão em São Paulo, mas não sabem nem falar direito, branquelinha loira sem sal não vence aqui, achou que tá no rap, tenta se recuperar e saber o que isso significa e saber o que significa quando chamo de vagabunda, concluindo então que a cultura é essa e só sobrevive quem aguenta, achou que eu ia sucumbir, então chora, porque querida eu já estou bem mais na tua frente em tudo que tu imaginas.
Eu perdi minha libido, eu não encontro nada dentro de mim mesma, jogo tudo no chão, grito, choro, bebo, fumo e faço sexo pela metade, eu faço sexo forte para fugir de mim mesma quando o orgasmo é tudo que eu tenho. Eu faço por escapismo, eu não me importo se o outro gozou.
Quem dá moral para vagabunda nunca mais faz amor comigo, perde o que eu tenho de melhor, ou talvez perca a única coisa que eu tenho. Estou encima do muro, estou vendo um precipício, eu não corro, eu me afogo, eu me perdi. Eu não aguento mais estar à beira, ninguém nunca saberá o que é isso e como isso destrói qualquer ser humano que queria apenas ter dignidade, felicidade morna, eu espero sobreviver.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Ultraviolência

Arco-íris e Tristessa