memória, condição de produção

Pena chover tanto e tudo desabar, as cidades se desmoronando e a água levando tudo. Queria ouvir as músicas da playlist que tu fez de rap. Tenho estudado pra entender muitas coisas e por quê meus contos são pura fantasia, parecem que contam minha vida, mas estão muito longe desses sentimentos e eu não vou contar detalhes das quantidades verdes e de como estão meus olhos vermelhos, longe.
Revisitando as memórias para poder entender aquelas coisas e separar o bom do ruim, e desfrutar, não consigo mais me julgar, onde estou agora? Que horas são? Faz frio e nunca para de chover. Tenho tempo de sobra pra esquecer aquilo que eu sofri e de repente nem me importo e teus olhos sempre vão refletir as estrelas, tu sabe do que estou falando, meu coração não vai aguentar, não diga que estou mentindo, pintei nosso quadro na memória, queria ajuda para sair da minha vida real e ter teu mundo cheio de luz, relâmpagos te iluminando.
Meu ânimo some, nicotina correndo, beije meu corpo, não tenho identidade no espelho. Esquece os títulos e palavras que criei no meio da  fumaça...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Ultraviolência

Arco-íris e Tristessa