responda-me

Quando acordo e te vejo bravo comigo na janela, com um cigarro aceso e o nome dele de novo na boca. Pare de me investigar ou então descobrirá coisas ruins a meu respeito que poucos conhecem. Te empurro, te mando embora, jamais tente ser mais forte que eu e segurar meus braços, ameaço chamar a polícia, não adianta se abraçar nas minhas pernas, de joelhos, teu cheiro está em todas as minhas coisas. Como farei pra tirar?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tango, sangue e revolução

(pre) tensão