Olhe dentro dos meus olhos e só enxergará escuridão

Eu não tinha nada para contar até então, até que tomei um doce. Vozes em meu ouvido, não me olhe, olhe para ela, eles, não me enxerguem, ando querendo matá-los, meu corpo tremendo, não tentem me encontrar, não me empurrem. Vou gritar e querer brigar, vou querer saber, vou olhar dentro do olho e ninguém escapará. Quero muitas coisas diferente por segundo, vou rir alto e todos saberão que sou eu. Revendo meninas, garrafas de vodka, cigarro longo de puta maluca, você não me escuta e não sinto mais nada, minutos inteiros e eu impassível. Vazia e transbordante, me contradizendo, é uma pena que eu seja tão ruim e ou outros pior ainda.
A casa vazia, sendo pintada. Minha boca amarga, chiclete. Quero correr, mas deito na cama.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ultraviolência

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Arco-íris e Tristessa