Homofonia pulsante de dois corpos consonantes

Muitas vezes precisava fechar a janela do quarto para que os vizinhos não a vissem nua. A rua iluminada pela luz da lua, não havia ninguém que pudesse vê-los agora. Perdidos em meio a fumaça do ambiente, afogados em meio a suas próprias fantasias. Observou seus olhos bem de perto, pode ver claramente o desejo incendiando as paredes, quando a boca dele chega perto da buceta dela e sua língua desliza lentamente, sempre disse a ela que poderia ser atriz pornô, que havia nascido para isso, poderia trabalhar com sexo, seu lindo corpo branco em contraste com o corpo magro e moreno, a pele dele com tatuagens pretas e com letras lindas que contrastavam com a delicadeza das tatuagens coloridas dela. Ele permanece minutos longos chupando-a enquanto anoitece, enquanto a bebida faz com estejam sinceramente alegres e exageradamente felizes.
Tudo oscilava de um lado ao outro numa atmosfera de melodia pesada. As paredes dissonantes, eles envoltos em uma quantidade de tempo previamente calculada. As mesmas músicas de sempre. Quase não fugimos do rap nacional. O gás do isqueiro dela terminou, não havia como terminar a ponta, não havia como acender um cigarro. Ninguém estava preocupado conosco naquele momento, estávamos livres daqueles velhos julgamentos, não se importavam com o que os outros falavam deles.
As velhas posições sempre funcionam, ela fica chupando-o deitada sobre o corpo dele, enquanto ele continua chupando-a e repetindo o quanto gostava de fazê-lo, o quanto o gosto dela era bom, que ela sabia o quanto ele adorava. Então ela balançava sua bunda como poucas garotas sabiam fazer, maneiras secretas que o faziam suspirar. Deixou-a subir em cima dela, aos poucos foram perdendo completamente a noção de espaço em ápices de excitação incontroláveis. Fumaça verde subindo, ela pegou o lenço preto dele emprestado e amarrou nos cabelos. O beijo deles nunca mudava no decorrer dos anos, sempre quente e demorado. As lembranças nunca de dissipavam, não importava o quanto haviam fumado, a voz dela era sempre boa de ouvir, altamente melodiosa, escutaram a música dele, repetia os versos marcados na pele, as rimas eram sempre cheias de homofonia.
Ele pede que ela se ajoelhe, nunca haviam feito dessa forma, feministas não gostam? Contente-se com o talento incontestável dela. Perca-se nos labirintos que ela te impôs.
Velocidade nos movimentos habilidosos da boca e das mãos dela, tenacidade em seu corpo pequeno e uma imensa vontade dele de ejacular.
Vestiu-se e foi embora. O amor nunca tarda em partir.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ultraviolência

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Arco-íris e Tristessa