beije meu corpo lentamente

Deixe-me que eu diga o que você parece fazendo todas as coisas certas de um jeito que eu nunca imaginei que alguém faria, te ensinando, te protegendo, eu sempre faço o possível para explicar quem sou para quem eu amo, mas com você não consigo, talvez você fugisse de mim desesperadamente, ou talvez jamais me deixasse partir, como na maioria das vezes é o que acontece e eu me surpreendendo, lendo Bukowski no meio de uma tarde de sábado, legalizando os ambientes, onde estávamos quando paramos na sala nessa tarde quente?
Feche as janelas, tire minha roupa primeiro, olhe-me de costas, fique sem saber o que te atrai em mim a não ser a minha bunda, olhe dentro dos meus olhos, nunca tive solução para o desejo a não ser deixar que as tentações se realizem de uma vez.
Desvio o olhar, tenho feito o possível para não enlouquecer amadurecendo como uma fruta pendendo em um galho.
Buscando cartela de doces pela manhã para vendermos e tomarmos a metade. Com um Jimmy Hendrix de um lado e outra merda no outro. Double face, tomara que seja melhor que o último que aquele cara chato de trancinha vende por aí, de nariz destruído estou cheia.
Nunca diga as coisas sem pensar, já aprendeu isso, cuidando as palavras, medindo-as para elas não retornarem pesadamente para você quando saem de minha boca em algum momento oportuno.
Tenho evitado o máximo as pessoas, instinto de proteção, eu simplesmente não aguento trabalhar e ter muitas outras relações. Já não é o bastante para um pobre ser humano?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Ultraviolência

Arco-íris e Tristessa