Boa de briga

Destituí a mim mesma em meio ao caos.
Tomei um doce à tarde e à noite e bebi umas 15 latinhas de cerveja aromatizada: tangerina e limão.
Fumei uns quinze baseados.
Lá do alto do prédio não vi nada além de outros prédios atravancados. Fiquei sem ar e tive que ir até o parque, como posso ficar em um bar de esquina em que desrespeitam as mulheres?
Aquele macaquinho de pelúcia me olhando injuriado e eu, sem ter culpa de nada, tento te desvendar e não obtenho sucesso.
Ele colocou as mãos sobre mim sem muita vontade e eu segui dizendo a ele o quanto estava cansada e ele segui defendendo os maiores machistas e as maiores putas da cidade como se eles fosse homens de verdade, mas são homens de mentira, bonecos sistematicamente programados para serem assim, não há mérito em suas lutas hipócritas.
Dizem que eu estou errada, que estou tendo um ataque, mas não. Estou completamente ébria de sobriedade, eternamente reflexiva àquilo que me desagrada.
Não me contradiga, gosto de acreditar que estou sempre certa e de achar um motivo para brigar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Ultraviolência

Arco-íris e Tristessa