Desculpe se eu estiver incomodando em busca de revolução

As palavravas fluem em minha mente como um eco do universo levado pelo vento. Estou apossada delas. Não conseguirei parar nunca. É uma forma de vida, um grito seco, uma vela que se apaga, uma música que insiste em ficar na mente. Incrivelmente ninguém nunca mais reclamou do meu cheiro de verde bom. Felizmente você me trouxe um monte de erva.
A polícia insiste em travar preconceito, insiste em observar os dois irmãos de cor sobre uma moto e querer pará-los, enquanto um está machucado e o outro atrasado para o trabalho.
Continuo leve como uma folha de outono e livre como uma passarinho colorido.
Uso meias pretas e longas. Escuto blues. Pinto as unhas de vermelho. Leio Hesse. Me especializo aos poucos em educação. Para todos, todas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ultraviolência

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Arco-íris e Tristessa