Quem pertence a mim

Queria sair da depravação que me encontro. Meus dias se tornaram calmos e eu não mais necessito acordar cedo e pegar ônibus lotado. Porém o preço aumentou e não é sempre que posso pagar para ir a aula. Queria que sempre me sobrasse dinheiro e o cartão de ônibus não estourasse o limite para que eu tivesse que pagar a passagem integral. De passagem, mas não a passeio, como escreveu Dinha.
Do leste para todos os outros lados, não haverá ninguém para me inibir. Sonhei com ele e acordei morta de saudades, exausta de mim mesma e de meus olhos cansados e reprimidos, doloridos estão meus ossos que não te sentem mais, não mais te buscam, não mais te encontram em rua alguma, antes o acaso nos jogava um em frente ao outro, agora não, agora nos separamos. Me falaram sobre você, não vi tua arte nova e você não deve ter vontade alguma de mostrá-la a mim.
Queria que em uma tarde qualquer você mergulhasse em mim como costumava fazer, queria poder fazer com que a fumaça embalasse nossos sonhos infantis e purificasse nossos corpos, perdoasse nossos erros, e uma vez apenas eu não fosse julgada pelos meus atos e pudesse emfim tê-lo para mim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ultraviolência

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Arco-íris e Tristessa