Tosse seca

Me despeço de você sem direito a beijo, bato a porta do carro. Você não me fez nada, você não fez nada. Então, cansei. Não estou bem disposta, nada pulsa em mim com graça, tudo desandou, todas minhas mentiras suspensas no alto em uma corda amarrada por mim, eu te amarrei junto.
Não estou com muita vontade de recomeçar, mas me indicaram como referência na área de letras. Há controvérsias sobre o curso desta universidade, em particular. Não importa, fiz por merecer.
Tenho vontade de correr sem rumo, chove lentamente e eu fico imersa nas coisas que preciso fazer, as aulas recomeçarão.
Minha gatinha brisa foi castrada, passo o tempo inteiro cuidando daquele felino fofinho. Às vezes me arrependo de alguns atos.
Estou cansada do seu marasmo. De qualquer maneira, a doutora disse que estou melhor, faltam apenas alguns exames, tudo cauterizou. Será mesmo que ficarei sempre tendo que fazer esses procedimentos para me manter saudável? Por que meu corpo sempre foi tão frágil, será premeditado, meu deus? Toda puta tem que arcar com as consequências.
Não adianta esconder vadia nenhuma de mim ou inventar nomes novos para rostos que já conheço e sei que são pura dst. Podem até ser, mas para ser mais puta que eu, vai ter que nascer de novo.
Nietzsche pode me ajudar? Zaratustra será o senhor?
Por que o que eu sinto está tão confuso dentro de mim?
Quem não bate, apanha.
Todos os meus destroços estão espalhados pela rua, bem abaixo da minha janela.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ultraviolência

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Arco-íris e Tristessa