Desavisado e imprudente

Ele se acostumou a agir como se não me reconhecesse, mas eu o reconheço de longe. Desfilando como uma doida, saímos ontem eu e ela, e eu vi as caras mais conhecidas que qualquer um possa imaginar. Professores, colegas, vagabundas e mulheres lindas, todos no shopping. E então onde há fumaça há fogo, o vi de relancei no parque e engasguei de repente, mas em seguida briguei com aquele bêbado idiota que não sabe quem eu sou. Pois finja que é rico enquanto eu vivo seu sonho desde que nasci. Sempre vou brigar quando não mais aguentar comentários de homens na rua. Os que menos me conhecem são os que fazem comentários mais íntimos. Viajar pra onde ele diz ir é pouco pra mim, desde os três anos ando de avião por aí... Grito e o faço fugir. Faço todos me evitarem porque não me aguentam mais.
Fumamos, bebemos cerveja e vodca. Jamais nos arrependemos de nossas palavras ou brigas, apenas deixamos passar a raiva, eu soo bem clichê de vez em quando. Comemos hambuguer e sorvete porque vezenquando é bom desafiar a própria saúde, até queria deixar claro que já nem fumo mais, basicamente esqueço.
Minhas palpitações aumentam e nós sabemos que nada será como antes, enquanto todo meu corpo escuta as batidas do meu coração indômito e todo meu corpo treme e disputa um espaço na minha cama.
Neguinha, estamos às margens, por isso não podemos publicar.
Lembrei de ti ao ler este trecho de caio em onde andará dulce veiga: "Escrever, raciocinei idiotamente, não era como andar de bicicleta nem como fazer sexo, meu bem. A gente desaprende, enferruja, entorpece. Crise geral."
Será que a amar também se desaprende?

Comentários

  1. São os tempos, o que há de se fazer? Diria Castilhos. É Neguinha, a gente reaprende, mas é da nossa maneira. Tem que chegar lá no fundo do fundo. A gente sabe nadar. Pode fazer a tempestade que for.
    Beijos en ti!

    ResponderExcluir
  2. Tua energia chega até mim. Feito um bom baseado. Não escrevo mais. Desisti até que eu consiga recuperar o fôlego de novo. Espero que eu recupere logo. Te escrevo e fumo. Fumo. Fumo. Fumo. Lá fora a rua tão calma e silenciosa que por vezes, nem parece que vivemos no caos. As coisas boas nôs guardamos. Beijo em ti!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Argumente.

Postagens mais visitadas deste blog

Ultraviolência

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Arco-íris e Tristessa