Amor, sexo e água

Não quero que ninguém leia além de ti. Me perguntaram numa entrevista de rádio se eu me inspirava escutando música e sobre como seria o meu livro. Eu estive projetando por anos e não obtive resultados. Quando escrevo especialmente para todo o universo, tudo flui naturalmente tanto quanto a minha capacidade de dissimular e escolher estas palavras. Eu simplesmente não rejeito toda o desenrolar de minha história ininterrupta. Eu realmente fico doente e por vezes eu sinto que eu desperdiço meu tempo e eu nunca reconheço que eu facilmente tenho a música seguinte sempre prevista em minha mente antes mesmo de que ela comece a tocar, eu estive conhecendo todas as micro-habilidades de leitura e eu quero planejar tudo muito bem. Desconcerto minha existência, pois eles (e eu) realmente se expressam bem o amor na arte, mas não sabem declarar muito bem, a demonstração é comum, como se a bondade fosse tudo, e bastasse. Nunca nos compreendemos, mas eu sei que que coisas novas surgem e nadamos contra elas. 
Perco meus pensamentos em nuvens de fumaça quando penso em você e vejo aquelas fotos nossas, desde quando éramos inocentes. Entre as nuvens raras e o céu absurdamente azul eu tenho lembranças nossas, e eu prefiro a eternidade.
Eu não costumo repetir erros grandes, mas se repito não era a intenção. Estou exatamente convencida de que sei quais são as minhas necessidades e as minhas armas. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Ultraviolência

Arco-íris e Tristessa