A réplica da réplica.

Retiro o que disse sobre “sem nego nenhum”. Hoje eu vi um. Titubeei alguns décimos de segundo pensando: será a réplica daquele filho da puta? Aí olhei mais perto e vi: não. Ele tinha o rosto mais bonito, o sorriso mais hahaha do que apenas um k. Então eu não pude sorrir, apenas percebi que ele era a réplica da réplica. Já tinha escutado a voz dele no telefone, e foi aí que falei em voz alta que ele só podia ser gato pra caralho. Então sorri, afinal a abstinência estava me matando. Mas quando ele chegou não pude sorrir... Seus gestos certeiros, seus olhos brilhantes, seu sorriso incessante, sua voz gostosa e sedutora. Então fiquei paralisada e não mais sorri, apenas observei, achando incrível que existisse um nego 3 vezes melhor do que os dois últimos. Ele falava, eu ouvia e não falava nada, apenas sussurrava um não hesitante. Então tremi, não pude escrever. Estava atrasada e ele saiu correndo e eu não disse obrigada nem senti nada, apenas desci as escadas e vi a rua com a noite caindo e as pessoas seguindo seus caminhos com os rostos cheios de incertezas, mas com uma paz por gostarem de estarem vivos e poderem ver o anoitecer como a própria vida mostrando as coisas como tem que ser, porque é assim que a vida segue, ninguém morre sozinho, apenas nascemos sozinhos. E não. Não fraquejarei, branquinhos e pretos estão na vala do fim da minha vida e ninguém mais terá acesso à essas coisas e nada será igual. Eu apenas quero escutar coisas boas, porque ainda que meninos me atraiam por si só, eu vi um homem, com sorriso de menino, e um coração bom que me mostrou que apesar de qualquer coisa, sempre vale apena, até mesmo mentir, pra fazer alguém sorrir de verdade numa madrugada fria, com um miojo frio e um coração quente e um cigarro atrás do outro fazendo uma cinza montanhosa num cinzeiro da Marilyn Monroe.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ultraviolência

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Arco-íris e Tristessa