Pergunte ao pó de parede


E não adiantava. Não adiantava eu passar tanto pó pra tirar as olheiras, não adiantava eu alisar o cabelo pra ele não parecer tão bagunçado, não adiantava eu mudar os móveis de lugar para parecer que estou vivendo em algum lugar novo, não adiantava eu inovar na minha maneira de vestir para mudar de estilo, não adiantava eu passar o dia inteiro chapada para amenizar minha sensação de realidade miserável, não adiantava eu dar um jeito de minha maquiagem não mostrar meus olhos tão pequenos e ninguém ver que andei fumando, não adiantava encher toda a casa de livros para parecer que estou contente com a vida, não adiantava. Pois todos viam minha unhas pintadas de vermelho roídas, todos viam o quanto eu estava perdida, todos viam meus dedos amarelados. Procurei uma resposta para as coisas que me estavam acontecendo pela rua. Queria pedir um conselho, mas... Olhava para todos e via que eles estavam tão perdidos quanto eu.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ultraviolência

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Arco-íris e Tristessa