Qualquer abismo...

E que eu mergulhe nesses teus olhos de Capitu
Que me afogue nesse teu amor
Que me perca nos teus cabelos
Que sinta no meu ouvido a tua respiração

E que eu naufrague nesses teus mares
Que afunde nas tuas coxas
E que por todas as fases lunares
Eu esteja entre tuas pernas

E que eu saiba amar essa tua ausência
E esquecer teus distratos
E que esse teu descaso, essa tua miséria
Se transforme em pura luz vermelha

Peço à lua que te mantenha aqui
Entre a minha pele e a minha alma
Que teus dentes mordam minha carne
Que teus lábios encostem nos meus pelos

E essa sede pelo teu amor
Querendo teu corpo completo comigo
Tua alma nua, tua sinceridade falsa

Atravessa meu corpo, transpassa meu coração, inunda minha alma, bebe meu sangue inocente, rompe a minha pureza impura!
Incendeia minha monotonia, leva embora essa nostalgia, essa saudade do que eu nunca tive e não sei se terei...

Que se destrua minha sanidade
Que suma meu juízo
Leva minha inocência
Engole minha saliva

Não me importam tuas filosofias
Poupe-me da tua barata psicologia
Engole tua imagem social
Quebra tuas regras estúpidas

Que nesses teus olhos pícaros
Ela nade em solidão
Que meu rancor sequestre tua tranquilidade e estupre tuas certezas
E por fim peço à lua que te amarre nas minhas pernas até que venha um novo eclipse parcial numa noite qualquer de outono nessa cidade pequena e cheia da nossa paixão-furacão.

Comentários

  1. Não sei o que dizer! Você o fez com a alma e ao lê-lo, sinto o sangue correr e fazer bater mais forte em meu peito. Poetisa, disseste tudo que eu queria dizer e não encontrei palavras.

    Estou aqui tentado a copiar e enviar a alguém, com os devidos créditos.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada por comentar sempre Omar! Fiz com a alma sim, porque fluiu de uma maneira em que os versos ficaram uma bagunça, mas mesmo assim ficou bom. Pode copiar se quiser.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Argumente.

Postagens mais visitadas deste blog

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Ultraviolência

Arco-íris e Tristessa