mentiras sinceras me interessam.


     Não sei se vou, porque talvez nem faça sentido ir, afinal não temos futuro algum. Não é que eu não tenha tentado, eu tentei. Fiz o que pude.Na verdade fiz menos do que pude,obviamente. Mas já não faz diferença, porque talvez eu estivesse errada, estivesse sonhando demais, imaginando demais, fantasiando demais. Vai além do que posso suportar.
     Se eu choro, me sinto culpada, se não, me sinto livre, madura, forte, decidida. Mas eu choro, caio em minhas próprias lágrimas e permaneço implorando por um amor miserável, um pedacinho do coração de alguém.
     Tento encontrar consolos em pensamentos supostamente racionais e realistas, que me façam crer em minhas verdades. São mentiras sinceras, como diria Cazuza.
     E mentiras sinceras sempre me interessaram e acho que é delas que sobrevivi todos esses anos, que agora não parecem tantos.
     Eu queria verdades, mas elas não seriam verdades se as mentiras não existissem. Seria tudo a mesma coisa, e eu estaria perdida do mesmo jeito.

Comentários

  1. when you have no one to talk to I'll always want to talk to you if you have no where to go I'll be thinking of you sad because it reminded me .... but life is like that love does not love us and despise those who have the most kindness in your heart. willing to offer us even if people do not mind that this is the unconditional love that it exists independently of the others also feel.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Argumente.

Postagens mais visitadas deste blog

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Ultraviolência

Arco-íris e Tristessa