Noites plenas perdidas no tempo e no espaço


                Eu tinha jurado para mim mesma que nunca mais choraria por isso de novo. E com a minha simplicidade de escrita e mediocridade sentimental, acabei sendo personagem de um filme daqueles que ninguém sabe o nome e nem nunca ouviu falar, porque não passa de um drama barato feito pelos estudantes miseráveis de uma faculdade de cinema desconhecida.
                Não há nada mais que eu pudesse fazer, pois a culpa não foi minha e eu já perdoei, e já não te chamo mais de filho da puta. O lado bom é que eu sempre vou lembrar os momentos maravilhosos que eu passei contigo. Mas foi tanta baixaria, que acredito que você já me viu beijando pelo menos uns três caras na tua frente, ou mais; até garotas, quem sabe. E nesses três caras, teu melhor amigo está incluído. E a culpa é toda tua, porque eu fiz de tudo para que nós tivéssemos algum futuro. Eu juro que eu largaria tudo só pra ficar do teu lado nas ruas por essas madrugadas infindas. Mas agora estou novamente afogada no mar de sal das minhas lágrimas repetitivas e desnecessárias, porém inevitáveis. Chega de drama, está tudo bem, acabou como deveria. Na verdade, nunca acabou oficialmente. Mas acho que eu cortei, antes que você cortasse a história toda. Te substituí, só para não dar o braço a torcer.
                E aonde quer que eu vá, sei que te guardarei em mim, te vejo na TV, te escuto nas músicas, você está marcado na minha pele. E ainda que não tenha sido meu primeiro, eu considero como sendo, porque me seduziu de uma maneira que ninguém nunca mais conseguiu... Teu sorriso, teu jeito, tuas roupas, tuas palavras, serão sempre as minhas preferidas. E algum dia, quando eu estiver longe dessa cidade, é muito provável que eu olhe a lua em uma noite qualquer e lembre as tuas cicatrizes e lembre os teus pedidos e o teu beijo e o teu jeito de amar e a tua expressão quando fala, quando sorri, quando caminha, quando fuma um cigarro ou quando pede um cigarro. Eu não sei explicar porque me sinto assim e porque esse sentimento nunca acaba, mas acho que nunca encontrarei uma resposta plena, a não ser a de que você é exatamente o que eu menos desejei para minha vida.
                E olhando essas ruas pela ultima vez e esses lugares, eu observo o quanto fui feliz por pequenos momentos insubstituíveis. Eu te amo, porra. E eu lamento muito por tudo, eu realmente sinto muito. Espero que essas ruas, essas construções, matos, pântanos fiquem com nossos momentos gravados por toda eternidade, porque as coisas que aconteceram nunca mais serão arrancadas nem daqui, nem de nós todos.
                Quero no futuro, não saber mais por onde você anda (apesar de pensar nisso uma noite ou outra). Quero imaginar onde você está, e supor coisas de um passado, que provavelmente haverá mudado, porque eu também terei mudado. Muito.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Ultraviolência

Arco-íris e Tristessa