Gaiolas antidepressivas


Quando uma menina que tem tudo nas mãos falar algo sobre você, ela está errada. Ela não sabe nada sobre você, ela não sabe pelas coisas que você passou, as dores que sentiu, tanto físicas quando psicológicas, não conhece sua família, seu passado, não pode medir seu caráter, sua cultura, suas capacidades. E mesmo que você tenha roubado uma parte do homem dela, que ainda é dela e que sempre será porque é assim que ele quer e eles falam sobre você, porque você é uma vadia que ninguém nunca defenderá e não, você não é uma pessoa má, você só não tem nenhum amigo verdadeiro. E todos eles te julgarão, porque nenhum sabe admitir a própria vida e são tão hipócritas porque se preocupam com o que podem pensar e não tem a mínima coragem de abrir mão de uma coisa para ter a outra completamente.
Eu o arrastei para minha cama, mas essas pretensões eu nunca admitirei, pois não posso tornar-me uma menina que tem tudo nas mãos. Eu não finjo nada, eu sou assim. Eles dizem que forço essas situações e que gosto de me fazer de vítima. Mas eles não me conhecem e nunca me conhecerão, são pequenos demais para compreender a minha significância. Acham que eu exagero, mas eu não tenho dignidade e admito isso, enquanto eles tomam prozac e fingem que tem dignidade.
Ele não sabe dividir o amor, ele mente a mesma coisa à todas as suas mulheres, pois é um covarde e não sabe o valor de nada, ele apenas joga as palavras ao vento e não, não procuro um príncipe encantado, mas acredito que eu mereça mais do que um sentimentalismo que além de barato é falso e desumano, é turvo e eu busco transparência.
Este não é o meu mundo, mas algumas partes de mim se adaptam a ele e tudo fica bem no final do dia, exceto por uma parte do meu coração que se dissolve e fica cada vez mais suprimido.
Ela acha que o mundinho europeu dela caracteriza no mundo, mas não é nada nobre, ele apodrece tudo, contamina, mata de fome, causa os bombardeios que existem longe dali e acha que traga a fumaça do cigarro que mandou o amigo gay comprar e acha que sabe alguma coisa sobre amor além do que a mídia barata dos seus seriados pode suportar todo seu euro e ela se sente feliz em seu american way of life, mas não pode lavar a louça, pois sua unha estragará e volta mais cedo pra casa porque é menor de idade e seus pais ficam desesperados e odeiam cigarros. Que estereótipo barato de uma menina que tem tudo nas mãos, algumas dessas meninas se libertam e tornam-se como eu, sozinhas, sempre, mas independentes apesar de tudo e outras não, outras acreditam em contos de fadas e sempre escolhem as melhores princesas da Disney.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Ultraviolência

Arco-íris e Tristessa