Quando você quiser saber alguma coisa, mergulhe nela.

    " Levantou-se e foi até a janela do seu quarto, olhar Dublin adormecida.
     Lembou-se do seu pai, que costumava fazer isso quando ela acordava com medo. A lembrança trouxe de volta uma outra cena de sua infãncia.
     Estava na praia com o pai, e ele pediu para ver se a temperatura da água estava boa. Ela estava com cinco anos, e ficou contente em poder ajudar; foi até a beira da água e molhou seus pés.
    "Coloquei os pés, está fria", disse para ele.
     O pai pegou-a no colo, caminhou com ela até a beira do mar, e, sem qualquer aviso, atirou-a dentro da água. Ela levou um susto, mas depois ficou contente com a brincadeira.
     "Como está a água?", perguntou o pai.
     "Está gostosa", respondeu.
     "Então daqui para frente, quando você quiser saber alguma coisa, mergulhe nela."

                                                       (Brida - Paulo Coelho)

     Sempre tinha na minha cabeça que ler Paulo Coelho era uma coisa meio, mmmmm, como posso dizer, batida.
    " Ah, O Alquimista! Veronika decide morrer! Que livros mais horríveis, esse cara pensa que é um mago..." As pessoas sempre dizem isso por aí, mesmo os livros sendo Best Sellers, o que não quer dizer grande coisa. Mas, geralmente, pessoas que criticam MUITO alguma coisa:
a) São adeptas a ela, mas tem vergonha de admitir, ou sei lá... não dão o braço a torcer por medo do que os outros podem pensar, como em muuuuitas situações da nossa vida.
b) Não FAZEM A MENOR IDEIA do que estão falando, porque nunca antes leram Paulo Coelho, por exemplo. Pessoas medíocres costumam criticar o que não conhecem.
     O fato é que eu gostei de Paulo Coelho desde a primeira vez que li. Comecei com Veronika decide morrer, que até agora é um dos que eu mais gostei, porque não envolve essas coisas relacionadas com magia e espiritualidade. Logo depois li Zahir, e me surpreendi mais uma vez, me tocou o coração e me fez aprender muitas coisas em minha vida e repensar muito. Esse ano li Onze minutos que aborda o sexo de forma profunda, gostei muito mesmo. Agora estou lendo Brida, que fala sobre wicca. Houve um tempo em que me enteressei pela religião wicca, mas esse sentimento foi morrendo, por puro medo se envolver com algo e fazer disso uma filosofia de vida. Acabei esquecendo e continuei sendo uma agnóstica, parei de questionar, parei de buscar algum motivo para fazer alguma coisa em minha vida. Foi aí que tudo parou comigo. Me estagnei por completo nessas férias.
     Brida é uma pérola do Paulo Coelho, embora eu não tenha lido outros livros dele, além dos que eu mencionei, eu realmente acho o cara fantástico, ainda que um número considerado de pessoas fale mal dele, eu gosto sinceramente, é o tipo de livro que a gente devora, justamente por isso são chamados de best sellers.
     Essa citação acima foi uma das partes em que parei de ler e fiquei assim, boba, pasmada, achei muuuuuuuito legal, muito tocante, especial mesmo.
     Uma grande lição!
     A história é legal também, sobre Brida, uma mulher que tem muitos questionamentos e quer aprender magia, fala também sobre reencarnação, bem legal...
     Uma teoria que me chamou atenção também foi a de que todos nós somos uma só alma e nos dividimos, assim reencarnamos separados, mas temos nossa "outra parte" que se manifestam na nossa vida como amor homem-mulher. Passamos a vida inteira buscando nossa "outra parte" porque essa é nossa missão, é como se nós fossemos caquinhos que devem se juntar. É muito lindo isso!!!
     De qualquer maneira, o trecho que postei no início foi realmente fantástico, é verdade, devemos mergulhar nas coisas e não só pensar que elas são ruins sem nem antes tentar, sem desfrutar de algo que pode ou não dar certo, sem arriscar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ultraviolência

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Arco-íris e Tristessa