Os buracos em que caio de propósito mas quem querer


Andava procurando algum lugar em que eu pudesse me alojar sem ser questionada ou apontada como culpada por alguma coisa da qual estou longe, porque não admito minhas culpas. Confesso que no início não pensei em grandes possibilidades, com a maré naufrago sempre, e essa é a única verdade. Apenas queria poder viver por algo, alguma razão real que me fizesse acordar toda manhã com um sonho para alimentar, uma esperança para sorrir e respirar. Não ando sorrindo muito, pelo menos não verdadeiramente. Creio que no teu lugar, eu agiria exatamente da mesma maneira, mas eu preciso de drama para mover minha vida de forma pulsante.
Descobri em mim um vazio, meus sonhos todos escorrendo entre meus dedos por falta de prática, falta de vontade e medo. A preguiça se alojando em cada poro da minha pele. Talvez se minha pele fosse bonita eu não fumasse tanto, mas sei que muitas coisas faltam em mim, minha dignidade inexistente faz com que minha melancolia teça uma imagem decadente de mim mesma e me dá motivos para sucumbir a essa morbidez exagerada que transpõe meus sentidos para uma realidade que não deveria ser a minha, porque meus motivos não são relevantes, e sim miseravelmente poéticos.
Eu insisto em não assumir minhas responsabilidades e isso faz com que eu engula sapos enormes e não possa digeri-los bem. Eles ficam engasgados em minha garganta. E já não há dinheiro, nem prazer, nem cerveja na geladeira, nem um livro bom para ler, ou inspiração para um poema. Resta apenas um gosto amargo na boca e a saudade do teu corpo esvazia minha vontade de viver nesse caos e nessa selva de concreto.


Comentários

  1. Por que o poeta vê as coisas apenas de uma maneira e desta é que vai vivê-lá até o fim, a nossa "vossa" verdade. Somos irresponsáveis pra maioria das pessoas, somos seres cruevelmente difíceis de se lidar, somos quem não aguenta e não gosta do mundo e não se sujeita a viver da maneira da maioria das pessoas, não queremos aguentar a sobrecarga psíquica, não queremos a paz, o drama parece mais agressivo e atraente de viver e escrever. Histórias bonitas só rendem um capítulo porque não tem muito o que se falar de quem foi feliz para sempre, ao contrário de nós, que permanecemos no mesmo erro e entramos de propósito em buracos, porque fazer drama e engolir sapo e fumar e reclamar da ausência e falta de atenção do outro faz mais o estilo de vida. Pessoas normais não rendem boas histórias e bons textos. Não sei o que a gente ganha com isso, mas um dia eu espero ganhar algo por não saber lidar tão bem com coisas que maioria das pessoas nem tira o sono, mas eu, eu enlouqueço. E de propósito. Parabéns, tu é uma ótima escritora.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Argumente.

Postagens mais visitadas deste blog

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Ultraviolência

Arco-íris e Tristessa