Tédio corroendo as paredes nuas


 Deito no sofá com frio numa noite sábado e ainda não tenho álcool na geladeira, mas pelo menos tenho cigarros, porque saí para comprá-los. Sempre sei quando tu mentes, e sinto tua falta noite adentro há semanas. Sinto saudades do início de tudo isso, quando ainda éramos puros e tudo era novidade. Agora não, é uma rotina e eu não consigo me manifestar, e não tenho dinheiro e não escrevo porra nenhuma, vivo sem ideias, contando minutos, relendo Bukowski, comendo sem parar, fumando sem parar, ouvindo coisas, sonhando com sexo e com os olhos extremamente borrados de preto. Fundo do poço.
Essa semana você virá novamente só para bagunçar-me. Bagunçar minha cabeça, meu coração, meu corpo, minhas roupas, minha casa. E eu vou continuar rindo das suas piadas e ficando sem palavras, exatamente como fico quando não bebo. Você nunca verá meus defeitos e minhas mentiras nunca serão descobertas, porque nós não temos futuro algum. Ninguém quer nada sério com uma garota que dá no primeiro encontro. Pelo menos você parou de fumar meus cigarros e passou a comprar os seus. Pelo menos não precisei te pagar nada. Pelo menos te conheci.
Eu sinto algo diferente em ti, mas não sei identificar o que é. A cada dia estás diferente, és previsivelmente imprevisível. E eu não sei lidar com essas coisas, eu sempre estrago tudo. Então apenas engulo minhas lágrimas fúteis e tento dormir mais uma vez.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ultraviolência

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Arco-íris e Tristessa