Não tenho tempo para joguinhos

Eu não sei fazer poesia. Não são muito boas, quero dizer. Não estou bem e ainda que estivesse, algo estaria faltando em mim, algum sonho, algum amor, alguma esperança. Meu corpo, pobrezinho, mal cuidado, dá suas respostas ao meu descaso e eu perco todo o interesse na vida, mas ainda assim sinto algo brilhando dentro de mim. É a sede de viver.
Sinto-me sozinha e abandonada, é quando a febre me invade e me sinto deslocada do mundo físico até dormir. E sonho. Misturo a realidade com os flashes da minha mente um pouco perturbada. Não penso mais em vinganças, pobres almas aquelas que se prendem a ficam falando sobre coisas que não lhe interessam, os deixarei falando sozinhos, porque minhas aulas de redação não foram em vão e eu começo as frases com o sujeito “ela” e eu sei diferenciar conjunção de oposição de conjunção de explicação, pois pois pois pois! Mas se eu por acaso quiser usar mas e quiser inverter, escrever de trás para frentes, fazer anagramas, eu farei. O blog é meu e eu faço o que quiser com ele e eu curso letras espanhol, não português.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ultraviolência

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Arco-íris e Tristessa