Duvide sempre de mim

     Tornei-me tudo que mais odeio. Sou a porra de uma submissa. É como se uma liberdade me fosse dada e outra tomada e eu soubesse exatamente como isso seria. Não transbordo de raiva quase nunca. Sinto apenas pena de mim mesma. Pobre oprimida, invadida.
     Eu não precisava de tudo isso. Nada disso vale à pena. Mas pelo menos ainda minto bem. Sou uma puta de uma mentirosa.

Comentários

  1. Se você não toma as rédeas, o cavalo segue a esmo.
    GK

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Argumente.

Postagens mais visitadas deste blog

Ultraviolência

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Arco-íris e Tristessa