No conozco a nadie que mienta como tú



E vejo pela janela luzes de natal nas casas e casais fiéis indo dormir no verão depois de assistir televisão, presos a uma rotina confortável. E eu me pergunto por que eu sou a única a não me adaptar a isso. E lembro que tenho que pagar minhas contas atrasadas. Sou uma vagabunda. Olha essas outras garotas que tem tudo, princípios, família... Não sei se elas são hipócritas ou eu é que estou errada. O que eu sei é que eu perdi todos os meus princípios e valores, eu me traí e eu virei um lixo, pagando meus pecados por falar mal e me aderir a tudo que eu mais odeio em alguém.
O estranho é que eu tinha todas as opções numa mesma rua e a que eu mais quis um dia era a única que não me chamava a atenção. Ele estava sentado do outro lado da rua e eu vi sua decadência, mas ele não viu a minha. Eu sinto muita saudade daquelas outras ruas, mas é incrível como o mundo fez com que eu pudesse unir o meu filho da puta preferido e a réplica dele numa mesma calçada e eu ri, porque é incrível como o mundo é pequeno e como o universo brinca comigo.
Então espero que cada um deles continue com suas vidas miseráveis e eu com a minha existência inútil, porque eu não sei amar ninguém, eu também sou uma grande filha da puta e eu lamento cada merda que eu faço, prometo não repetir, mas sempre caio nos mesmos buracos. Eu vou parar de beber e de fumar e de insistir em coisas que não oferecem nada além de prazer, pois eu nunca fui boa o bastante para nada. Além disso, ninguém merece meu veneno destilado injetado na veia. I’m a whore. Una puta desagradecida y punto. Odeio joguinhos e não sei porque continuo jogando...


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Ultraviolência

Arco-íris e Tristessa