Sobre todo o arrependimento advindo da estupidez


Estou com vontade de tomar cerveja desde cedo da tarde como nos velhos tempos e olhar dentro dos teus olhos verdes ao mesmo tempo em que escuto tua risada alta e contagiante por qualquer bobagem nesses teus lábios carnudos e com teu cabelo bagunçado.  E eu te perdôo por uma noite ter jogado minha erva para o outro lado do muro porque tua mãe estava chegando e perdôo por ter lido as cartas erradas para mim e ter me ignorado às vezes e ficado com vergonha quando estava perto de mim.  Ainda lembro-me do teu perfume em minha almofada e dos teus beijos bem dados e do jeito como tocava violão, sempre linda, vestindo tuas camisas grunge e ouvindo Nirvana, Oasis e Aerosmith comigo.
Literatura era nosso assunto preferido, mas tu apagaste nossas fotos e eu acabei não publicando um conto com o teu nome e acabei te traindo por ser, como você mesma disse, uma vadia estúpida. Eu ainda o sou, e não é drama não, mas acho que sempre serei, por isso não sou digna de algumas coisas das quais eu gostaria de ser. Não sei bem o que te disseram, mas algumas influências deveriam ser desconsideradas, porque são poucas as pessoas com quem podemos conviver. Eu não lembro direito o que fiz de errado a todas elas, mas minha sensibilidade faz com que eu me sinta ferida por qualquer palavra e eu faço essas merdas estúpidas. Desculpa por ser uma vadia, é que eu defendo o amor livre, desculpa se menti, foi para proteger nossa amizade de alguns poucos curtos confusos e conturbados anos.
Escrevi isso porque te encontrei em meio a minha bagunça mental e uma coisa no meu coração doeu.



Comentários

  1. Venha garota triste
    Mexa seus olhos cansados
    O mundo está te esperando
    Talvez todos os seus sonhos preencham o céu vazio
    Mas se isso te faz feliz
    Continue batendo palmas
    (...)


    :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Argumente.

Postagens mais visitadas deste blog

Me cobraram recato, eu rasgei o contrato

Ultraviolência

Arco-íris e Tristessa